CLARO




CLARO





Pelas tardes de fogo homens

pedras movem com capacetes

de sombra mergulhados

em ruas de verão e sal.



Nada me diz que as coisas

se passam como me dizem

além

da parede de vidro que nos divide

aquém

das algemas de sono que nos unem.



Sou como posso fiel

a meu projeto mesmo

que de pronto não o achem

meus olhos – anônimos

minhas mãos – rachadas

meus lábios – rebeldes



nos espaços burocráticos

nas relações de amizade

nos desertos duros da fome.



Liberdade é meu ser

e tempo. É o meu nome.

Razão – o meu sobrenome.



Florisvaldo Mattos