INOCÊNCIA




INOCÊNCIA
Hoje estou particularmente um pouco mais dolorida do que nos outros dias desta fase. Um movimento, que partiu de mim mesma, me está fazendo *sair do vaso chinês*, o que faz voltar toda a dor que eu sentia quando nele entrei. Dentro dele, as dores haviam cessado por completo. Já um tantinho fora, recomeçam. O mundo é apressado, ninguém tem cuidado com ninguém, as pessoas gritam, há falta de respeito, e isso tudo somado a mais um tanto, dói. Neste mês então, em que a confraternização deveria ser a palavra de ordem, reina a histeria. Voltar para o vaso chinês? Nem pensar. O silêncio? Não. Sair com os amigos, que por incrível que pareça, ainda existem.




Pensando em amigos...

A distância nos leva em pensamentos
Se grito você me ouve
O eco está nos seus ouvidos
Os sonhos quando dormimos


As imagens embaralhadas
O longe nos separa 
Certeza da grande amizade
Amigos assim seremos




Saudades sentidas, brotadas da alma
Afeição sem danos causados
Um amigo, uma amiga
São esses os personagens




A vida caminha com nós 
Vai levando nossos destinos
Ultrapassando as barreiras
Não sabemos onde chegar




Só a imaginação existe
Lembra da feição nas palavras
Caracteriza a personalidade
Dar ênfase a nossa história.


de Maria de Fátima Lúcia Santana