SERES VIRTUAIS





SERES VIRTUAIS







Pedaços que se encaixam

Sorrisos que se encontram

Vontades que se desejam,

Toques que já se sentem.

O silêncio que se rompe no teclar,

As vidas que se encontram a cada pensamento

O sonhar que se agita a cada segundo

Faz-nos crescer em sentimentos.

Os desejos que se cruzam,

Rompem as feridas deixadas pelo tempo.

Perdidos em delírio o vôo é lançado,

E o pouso se dará

Somente no horizonte mais brilhante

Aonde chegaremos a qualquer hora,

Sem sequer sairmos do lugar.

@ Renata Cordeiro




Fiz este poema há um bom tempo, e o publiquei no Blog Slides, depois o inseri numa publicação maior nas Sétimas Artes. E agora eu o tomo porque estava pensando nas relações quentes e frias, humanas, bem entendido.
O que temos aqui no virtual? Sempre quis o calor, como a maioria de nós. Ocorre que isso não acontece. O virtual só existe quando ligamos o PC, e as relações, os vínculos que aqui estabelecemos, também. Confesso que me desliguei muito daqui, por dois motivos.
1) pelos sentimentos bons e ruins que *uma pessoa*, ou melhor, *a sua imagem* pode despertar;
2) por estar com um problema de saúde, que me demanda o calor, as relações humanas reais.
Ainda encontro o calor aqui, quando comento uma pessoa (ou vice-versa), mais ou menos no mesmo momento de vida,  e obtenho uma resposta. Acabei fazendo um MSN e travei conhecimento com duas pessoas. Uma, muito querida, que faz parte deste blog, e é super up. A outra também é legal, cheguei a conhecer pessoalmente, mas pouco nos comunicamos agora.
Há o mail. Acabo de receber uma mensagem de um amigo muito querido. Ele sabe do meu problema, diz que não vai desistir de mim; mas isso é surreal, não existe! Eu lhe disse: você gosta de mim virtualmente, nem sabe como sou, será que agüentaria? E eu?
Não, isso não é para ser assim. 
Faço os posts, comento, recebo os comentários, respondo. Do Eu e Daí? costumo responder a todos, mas há alguns, de lá também, que eu não respondo. Isso é algo que comentei com esta minha amiga do telefone e do MSN. Às vezes, a gente vai ao Blog de uma pessoa, lê, relê, e não consegue comentar.
Nem todo mundo comenta todo mundo, nem é pra ser assim. Às vezes, seguimos blogs por admiração, empatia, simpatia, conforto, etcx., mas  a coisa esfria.
O meu momento é quente e eu sinto frio aqui, aliás, sempre senti.
Bom Fim de Semana a todos*******